sábado, 13 de novembro de 2010

ABORTO E SAÚDE PÚBLICA - MAIS INFORMAÇÕES




Entendam porque sou a favor da descriminalização do aborto ao mesmo tempo que defendo que o estado deva fazer campanha para o uso de preservativos , de modo a , dentre outras coisas, evitar-se a gravidez indesejada. Leiam o esclarecedor texto de Jerry Carvalho Borges - "Aborto no Brasil: mortes em silêncio" - e tomem nota de dados mais recentes aqui no meu blog - ABORTO E SAÚDE PÚBLICA.

domingo, 7 de novembro de 2010

O QUE CAIU NO ENEM 2010?

O ENEM 2010 foi para mim uma grata surpresa no que diz respeito às ciências da vida. Uma prova centrada em temas de ecologia e saúde e isso é o que interessa. Se for para botar defeito, senti falta de mais questões de evolução - caiu apenas uma, sobre teorias evolutivas - e a respeito da genética molecular - não caiu uma sequer. No site do Colégio Objetivo vocês terão acesso à prova amarela gabaritada, questão por questão. Vale à pena dar uma boa olhada.
Aqui, selecionei as questões que tem relação com a minha querida biologia e identifiquei os assuntos abordados em cada uma.

ENEM 2010
PROVA AMARELA
QUESTÕES SOBRE BIOLOGIA
49. E
ASSUNTO: SAÚDE – cárie
50. B
ASSUNTO: SAÚDE – utilização de vacina, soro e antibiótico.
54. A
ASSUNTO: ECOLOGIA – ciclo biogeoquímico do fósforo e impactos ambientais.
55. D (Oficial) Discordo deste gabarito, pois no texto podemos relacionar perfeitamente a descrição com o ciclo do fósforo - letra c - e do nitrogênio - letra e. Questão prejudicada.
ASSUNTO: ECOLOGIA – ciclos biogeoquímicos.
56. A
ASSUNTO: ECOLOGIA E FISIOLOGIA VEGETAL – salinização do solo e absorção.
57. D
ASSUNTO: ECOLOGIA – aquecimento global e “ilhas de calor”.
59. B
ASSUNTO: ECOLOGIA – eutrofização e impactos ambientais.
60. A
ASSUNTO: ECOLOGIA – fontes alternativas de energia (energia geotérmica).
61. C
ASSUNTO: ECOLOGIA – derramamento de petróleo e impactos ambientais.
62. B
ASSUNTO: FISIOLOGIA CELULAR – respiração celular aeróbica e anaeróbica.
64. B
ASSUNTO: EVOLUÇÃO – teorias evolutivas.
66. B
ASSUNTO: FISIOLOGIA HUMANA E ESPECIALIZAÇÕES DA MEMBRANA PLASMÁTICA– absorção.
69. E
ASSUNTO: BACTÉRIAS E SAÚDE – características gerais das bactérias.
76. C
ASSUNTO: SAÚDE E ENGENHARIA GENÉTICA – dengue e transgênicos.
77. B
ASSUNTO: ECOLOGIA – regiões fitogeográficas brasileiras e impactos ambientais.
85. A
ASSUNTO: ECOLOGIA – aspectos do solo do cerrado e impactos ambientais.
86. C
ASSUNTO: ECOLOGIA – DESTINO DO LIXO E ATERRO SANITÁRIO.
87. D
ASSUNTO: ECOLOGIA – fontes alternativas de energia (energia solar).
88. D
ASSUNTO: FISIOLOGIA HUMANA – ciclo circadiano.
89. E
ASSUNTO: ECOLOGIA – ciclo biogeoquímico do nitrogênio e agricultura.
90. C
ASSUNTO: MÉTODO CIENTÍFICO E SAÚDE – príon e análise de experimentos.

MEDO DA IGUALDADE

MARCOS MAGALHÃES FILHO acompanhou aulas minhas sobre ecologia e evolução. Com sua mente em ebulição, relacionou conhecimentos abordados em sala com questões metafísicas.
Achei bacana as ideias que Marcos me apresentava e sempre fui um incentivador e admirador de sua criatividade. Para vocês terem um ideia, na medida em que refletia sobre a natureza e existência, desenvolveu sua própria filosofia, o PANLIBRISMO (achei do caramba!).
De vez em quando, recebo um e-mail dele, o que me deixa muito feliz. Sei que deve ser complicado para ele arrumar um tempinho para filosofar, já que a faculdade exige muito da gente. A última mensagem que me enviou continha um pequeno texto, que gentilmente me permitiu postar aqui.
Leiam e façam como ele, reflitam.

Por Marcos Magalhães Filho:

As pessoas têm medo da igualdade, nós temos medo dela, pois não posso me excluir, já que sou humano. A emoção que sentimos ao ver uma criança passando fome nem arranha nosso ego por um mundo igual. Usamos roupas diferentes, na defesa de um estilo, quando na verdade tememos as condições de um sistema igualitário.

Louvam não a deus, mas as grandes construções feitas em seu nome e, quanto mais ouro nas paredes, mais belas são a nossos olhos. Os religiosos se matam em combates verbais ou físicos sobre qual deus é o mais poderoso.

O político que mais der esmola será eternizado, as piores ditaduras começaram com o clamor e sorriso do povo.

Na verdade, adoramos a obediência, adoramos a existência de inferiores e superiores. Alimenta-nos, motiva-nos e nos dá felicidade a dor daquele que invejamos.

Amamos a ideia do destino, pois ela suporta tudo isso. Sou destinado a comer ou sou destinado a sofrer.

Desprezamos tudo o que nos iguala. Por favor, neguemos este senso primitivo e vamos dar as cartas para todos! Somos filhos da mesma célula.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

TECIDO CONJUNTIVO

Aqui estão os slides usados na aula sobre tecido conjuntivo. Lembrando que foram omitidos o tecido hematopoiético, sangue e linfa, assuntos abordados em outra ocasião.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

ABORTO E SAÚDE PÚBLICA

Por que o aborto é um caso de saúde pública?

Vamos a alguns fatos (nada melhor que eles para responder a indagação acima):

A cada hora 12 MULHERES são internadas no Brasil em consequência de abortos clandestinos. Só no primeiro semestre de 2010, 54 MIL MULHERES foram internadas por complicações pós-aborto. Nesse período, o governo brasileiro desembolsou R$ 12,9 MILHÕES para tratamento de mulheres que sofreram hemorragias, infecções ou perfurações em procedimentos abortivos ocorridos em clínicas clandestinas.

Fonte: Revista IstoÉ 2136. 20/10/2010, p. 48 (adaptado).

E MAIS...

Dados do ministério da saúde apontam que 5,3 MILHÕES DE BRASILEIRAS entre 18 e 39 anos tenham feito pelo menos um aborto. Sendo que mais da metade destas acabam internadas devido a complicações da intervenção.

Fonte: Revista IstoÉ 2137. 27/10/2010, p. 43 (adaptado).

VAMOS DEIXAR DE HIPOCRISIA. NÃO NOS DEIXEMOS LEVAR PELA DEMAGOGIA DE POLÍTICOS E PELOS DOGMAS MEDIEVOS DA IGREJA. SEJAMOS A FAVOR DA DESCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA E DE FORO ÍNTIMO.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

NERVOSO E REPRODUTOR

Os slides usados nas aulas de sistema nervoso estão aqui. Também complemente seus estudos sobre aparelho reprodutor com estes slides apresentados nas aulas.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

DARWINISMO versus CRIACIONISMO

Leia atentamente um trecho do livro O relojoeiro cego de Richard Dawkins, um polêmico intelectual ateu e ferrenho defensor do darwinismo (para melhor visualizar o que está escrito abaixo clique em cima do texto).



DAWKINS, R. O relojoeiro cego. Edições 70, Lisboa, p. 22–24. 1986.

sábado, 12 de junho de 2010

INTERAÇÃO GÊNICA

Temos uma interação gênica quando genes não-alélicos atuam em um mesmo caráter. A herança quantitativa (poligênica, aditiva ou cumulativa), epistasia e genes complementares são tipos de interação gênica.
Preparei uma lista de exercícios sobre o tema para que vocês possam treinar para se submeter a uma provinha. Bons estudos!

GABARITO:

1) a) RrEe X Rree
b) Sim, pois o resultado obtido está do que acordo com o esperado quando há a segregação independente dos genes na formação dos gametas. O indivíduo RrEe produz gametas RE, Re, rE, re e o Rree forma Re e re, todos em iguais proporções.
2) D
3) a) 1/4 vermelho: 1/4 rosa: 2/4 branco
b) AABB, AABb, AaBB, AaBb.
c) 9 vermelho: 3 rosa: 4 branco
4) D
5) E
6) 4 pares de genes; 0,025g.
7) a) Interação gênica do tipo epistasia dominante.
b) 12 branco: 3 amarelo: 1 verde.
8) C
9) D
10) C
11) D
12) D

quinta-feira, 3 de junho de 2010

COLEÇÃO OBB

Taí um excelente desafio para os amantes das ciências da vida e/ou estudantes que estão se preparando (de fato) para o vestibular. As provas da Olimpíada Brasileira de Biologia tem questões dos mais diferentes assuntos dessa matéria em vários níveis de dificuldade. Deliciem-se com centenas de questões e, depois, confiram os gabaritos oficiais.

Provas e gabaritos:




I OBB - fase 2 caderno 1
I OBB - fase 2 caderno 2
II OBB - fase 2 caderno 1
II OBB - fase 2 caderno 2
III OBB - fase 1
III OBB - fase 2 caderno 1
III OBB - fase 2 caderno 2
IV OBB - fase 2
V OBB - fase 1
V OBB - fase 2
VI OBB - fase 1
VI OBB - fase 2
VII OBB - fase 1
VII OBB - fase 2
VIII OBB - fase 1 + gabarito
VIII OBB - fase 2
Gabaritos oficiais
Gabarito oficial - VII OBB - fase 1
Gabarito oficial - VII OBB - fase 2
Gabarito oficial - VIII OBB - fase 2

terça-feira, 18 de maio de 2010

A NATUREZA DE HERMETO PASCOAL

A natureza é deveras inspiradora. E, quando contemplada com uma trilha sonora criativa, como essa do velho Hermeto, torna-se também inebriante. Confira!

CORDADOS

Estava devendo esse post aos meus queridos alunos.
Nosso filo, Chordata, abrange os animais que possuem notocorda, tubo nervoso dorsal, cauda pós-anal muscular, fendas faríngeas (branquiais) e endóstilo/tireoide, pelo menos na fase de embrião/larva (Figura 1). Além disso, são triploblásticos, bilatérios, deuterostômios, enterocelomados e metamerizados.


Figura 1: características diagnósticas dos cordados

Os cordados estão divididos em três subfilos: Cephalochordata, Urochodata (Tunicata) e Craniata (Vertebrata). Confira o cladograma (Figura 2).


Figura 2: evolução dos cordados.

Para proseguir com os estudos, dê uma olhadinha nas tabelas comparativas:

Protocordados (cefalocordados e urocordados);

Agnatos, condrictes e osteictes;

Tetrápodes.

Agora, veja os slides apresentados em aula:

Introdução aos cordados e Tetrápodes.

E, por fim, resolva alguns testes de vestibulares sobre cordados.

GABARITO:
1) a; 2) c; 3) c; 4) b; 5) a; 6) a; 7) b; 8) a; 9) d; 10) a; 11) b; 12) e; 13) b; 14) b; 15) e; 16) a; 17) I-IV-V; 18) C; 19) e; 20) e.

terça-feira, 11 de maio de 2010

SEGUNDA LEI DE MENDEL E GRUPOS SANGUÍNEOS

Queridos alunos, aqui estãos os exercícios complementares sobre Segunda Lei de Mendel e grupos sanguíneos. Espero que estudem e "arrebentem" na prova.

Gabarito:
1) Casal: AaIi x Aaii; filhos albinos: aaIi e aaii
2) D
3) D
4) I - II.
5) D
6) D
7) C
8) B
9) D
10) C
11) D
12) B
13) D
14) A
15) Quatro tipos.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

QUAL É A DIFERENÇA...

... ENTRE O CROCODILO E O JACARÉ?

As mais significativas são que os crocodilos possuem escamas do ventre com poros glandulares, dentes superiores alinhados com os inferiores, cabeça afilada e o quarto dente de cada lado do maxilar inferior é bem maior que os outros e aparece mesmo com a boca fechada. No caso dos jacarés, apresentam cabeça larga e arredondada, escamas do ventre sem poros glandulares, dentes superiores desalinhados com os inferiores.

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/mundoanimal/pergunta_285970.shtml

Jacaré (Família Alligatoridae)


Crocodilo (Família Crocodilidae)

... ENTRE A COBRA-CEGA E A COBRA-DE-DUAS-CABEÇAS?

Também chamada de cecília, a cobra-cega é um anfíbio da Ordem Gymnophiona ou Apoda. A cobra-de-duas-cabeças é um réptil Squamata Amphisbaenia. Portanto, entre esses dois animais existem as diferenças típicas observadas entre anfíbios e répteis.

Fonte: Pough, F. H. et al. A vida dos vertebrados. São Paulo: Atheneu, 2008.

Cecília


Cobra-de-duas-cabeças



... ENTRE A TARTARUGA, O CÁGADO E O JABUTI?

As tartarugas são todos os répteis quelônios não classificados como cágados ou jabutis. As tartarugas podem ser tanto marinhas como de água doce. Elas têm o casco mais alto que o dos cágados. Outra diferença importante é que as tartarugas não dobram o pescoço para o lado ao recolhê-lo para dentro do casco, como fazem os cágados.
O cágado distingue-se do jabuti por ser um quelônio de água doce e não terrestre. Já as diferenças em relação às tartarugas são sutis. Os cágados possuem casco mais achatado e têm o pescoço mais longo.
O jabuti é o único entre esses três tipos de quelônio que vive exclusivamente na terra. Ele também pode ser facilmente identificado pelo casco alto e pelas patas traseiras em formato cilíndrico, que lembram as de um elefante.

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/mundoanimal/pergunta_286278.shtml

Tartaruga


Cágado


Jabuti


... ENTRE A SERPENTE E A COBRA?

Na verdade, a cobra é um tipo de serpente da Família Elapidae. O termo "cobra" é utilizado apenas para um tipo de serpente, as Najas da África e Ásia. Da mesma forma que os portugueses, na época do "descobrimento", deram o nome de "índios" aos nativos aqui encontrados, pois acreditavam ter chegado à Índia, também atribuíram nome de "cobra" às serpentes, acreditando se tratar das verdadeiras cobras (Naja da Índia). Aqui no Brasil não é errado utilizar o termo "cobra", porém, no do mundo, é recomendável utilizar o termo "serpente", para evitar qualquer desentendimento.

Fonte: http://www.saudeanimal.com.br/serpentes.htm

Naja

domingo, 2 de maio de 2010

LISTA DE EXERCÍCIOS

Em 19 de março, resolvi uma lista de exercícios dentro do projeto de "PROGRAMAÇÃO PARALELA (PP)" do Colégio Motiva-JP. Nesse material estão questões dos mais diversos assuntos das Ciências da Vida. Alguns de meus caros alunos me pediram para postá-la no blog. Taí, bons estudos.

Lista PP 19/03/10

GABARITO:
1) A
2) C
3) C
4) C
5) FFVFV
6) A e C
7) B
8) C
9) VFVFV
10) E
11) A
12) C
13) E
14) A
15) C

segunda-feira, 26 de abril de 2010

BACTÉRIA TEM NÚCLEO?

Categoricamente, NÃO. Segundo Cooper, "a presença do núcleo é a principal característica que distingue as células eucarióticas das procarióticas", sendo esta "a maior e mais proeminente organela das células eucarióticas"(2001, p. 339). Amabis afirma claramente que as bactérias, seres procarióticos, não tem estruturas membranosas no citoplasma e nem núcleo; o material genético se concentra em uma região chamada nucleoide (2009, p.135). Assim como não se concebe uma casa sem teto nem telhado, não existe núcleo sem um invólucro, a carioteca. É este envelope, composto de duas membranas e poros, que compartimenta quase todo o DNA da célula eucariótica, definindo o núcleo.

Esse notável componente subcelular tem, conforme Cooper, as seguintes atribuições:

[...] Por abrigar o genoma da célula, o núcleo serve como depósito da informação genética e como centro de controle celular. A replicação do DNA, a transcrição e o processamento do RNA ocorrem dentro do núcleo [...] (2001, p.339)

Confira a ultraestrutura de uma célula procariótica e uma eucariótica para afastar de vez qualquer dúvida (é importante salientar que as imagens não estão com tamanhos proporcionais):





Bibliografia:

Amabis, J. M.; Martho, G. R. Biologia das células. São Paulo: Moderna, 2009.

Cooper, G. M. A célula: uma abordagem molecular. Porto Alegre: Artmed, 2001.

domingo, 21 de março de 2010

FILO PLATYHELMINTHES


Pessoal, taí os slides apresentados na aula sobre os platelmintos.



BIODIVERSIDADE




A Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade. Escolha oportuna devido aos múltiplos temas urgentes que estão relacionados e serão apreciados durante essa celebração, como redução do consumo, reaproveitamento, reciclagem, mudanças climáticas, agroecologia, fontes alternativas de energia, biopirataria, criação de unidades de conservação e a questão da introdução de espécies invasoras, só para citar alguns. Tudo isso sob a ótica do desenvolvimento sustentável.
Diante da importância e complexidade do assunto, temos um sério compromisso com a divulgação de informações sobre a necessidade de se preservar a diversidade biológica e a respeito de como agir nesse sentido. Nós, brasileiros, assumimos uma responsabilidade extra, pois possuímos, em nosso território, um quinto de todas as espécies do planeta e fomos os anfitriões da Cúpula da Terra, que aconteceu 1992, no Rio de Janeiro, na qual foi elaborada a Convenção Sobre a Diversidade Biológica. Documento que apresenta as diretrizes acerca das ações que as nações devem realizar para conservar as espécies de modo a garantir condições dignas para a sobrevivência das futuras gerações.
Para o cidadão comum, às vezes, fica difícil saber como se pode agir para contribuir positivamente com tão intricado eixo temático. Entretanto, devo dizer que uma pessoa responsável já faz muito, várias vezes sem perceber, para vivermos em um ambiente mais harmonioso. Quem não cai na tentação do consumo sem motivo e não é adepto da cultura do desperdício, por exemplo, já colabora significativamente para diminuir a extração de recursos da natureza, preservando assim, as paisagens naturais e todos os seres que as compõem e as mantém em equilíbrio.
A biodiversidade resguardada é fonte de alimento, combustível e fibras; favorece a purificação do ar, degradação de resíduos e ciclagem de nutrientes; modera inundações, secas, temperaturas extremas e a força dos ventos; possibilita a existência de vários modos de polinização das plantas, o controle de pragas e doenças; mantém um patrimônio genético que pode nos fornecer medicamentos e outros produtos, além dos benefícios culturais e estéticos.
Quem não se sente bem quando em contato mais íntimo com a natureza? Se refletíssemos um pouco, perceberíamos o quanto é renovador um banho de mar ou de rio, como é alentadora uma caminhada em uma trilha na mata e quão divertido é o hábito dos animais. É fato, a natureza nos torna plenos de felicidade. Motivo mais do que suficiente para protegê-la. Viva a biodiversidade!

segunda-feira, 1 de março de 2010

A TEIA


Certa vez escutei que não se combate a seca, convive-se com ela. A seca é um evento cíclico natural da região semiárida do Norteste e do norte de Minas Gerais. Portanto, só poderíamos combatê-la quando conseguíssemos controlar o dinâmico clima do planeta (acho isso difícil para breve). Enquanto isso, vamos buscando alternativas para melhorar as condições de vida do sertanejo. Nesse contexto, achei muito pertinente a pesquisa feita por cientistas da Academia Chinesa de Ciências sobre a teia da aranha Uloborus walckenaerius.

Os pesquisadores estão desenvolvendo uma rede com base na arquitetura da teia da aranha. Essa teia, além de forte, é capaz de reter a umidade do ar e canalizar a água captada para "reservatórios" presentes nas articulações da trama. A tecnologia em elaboração pode nos fornecer uma alternativa para driblar a falta de água nos períodos de estiagem do sertão.Outra aplicação possível é no caso da poluição água disponível em estado líquido. Poderíamos captar água limpa do orvalho da névoa.

A Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade. Por conseguinte, a divulgação sobre a importância da preservação da diversidade biológica é uma das metas para o período. Imaginem se essa aranha estivesse extinta. Talvez os estudiosos chineses não fossem inspirados a elaborar tal malha e, desse modo, teríamos uma possibilidade a menos para a aquisição de água potável. Viva a biodiversidade!

Fonte:

Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u689229.shtml
Acesso em: 01/03/10.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

A PRIMEIRA LEI DE MENDEL


Em 1856, quando o monge agostiniano Gregor Mendel (1822-1884) começou a estudar ervilhas, as ideias prevalecentes sobre a hereditariedade passavam longe do que de fato acontece na transmissão das características de progenitor para descendente. Até então, os cientistas se dividiam nas mais diferentes correntes de pensamento. Havia os pré-formistas, que defendiam a existência de "homúnculos" dentro do espermatozoide ou do óvulo. Esses estudiosos digladiavam, no século XVIII, com os partidários da epigênese, que admitiam a presença de uma substância amorfa dentro dos gametas, ativada na fecundação para formar um novo ser. Houve ainda o retorno da pangênese, capitaneada por Charles Darwin (1809-1882), na segunda metade do século XIX. Nessa época, também era comum a crença da herança por mistura. Os seus adeptos defendiam que os filhos apresentavam geralmente uma média dos caracteres dos pais. Concepção inadequada frente a uma série de evidências, como, por exemplo, a existência de um filho calvo de pais não-calvos. Portanto, esse negócio de herança por mistura acabava sendo uma enorme "forçação" de barra.

Sem dúvidas, as descobertas que aconteceram no século XIX foram cruciais para o entendimento da hereditariedade. Estudos paralelos à discursão sobre esse tema nos permitiram entender o espermatozoide como gameta masculino (tudo bem que eles foram primeiro visualizados por Leeuwennhoek, em 1667, mas apenas em 1841 Kölliker desmonstrou que os espermatozoides eram células modificadas) e o óvulo como célula reprodutiva feminina (em 1828, von Baer descobriu essa célula dentro do foliculo ovariano, descrito inicialmente por Graaf, no século XVII). Além disso, em 1882, Walther Flemming descreveu o comportamento dos filamentos nucleares durante a mitose. Esses filamentos chamados de cromossomos por Waldeyer, em 1888. Já em 1889, Leopold Weismann, sugeriu a existência de um tipo de divisão que depois ficou conhecida como meiose. Faltou, na segunda metade do século XIX, uma mente iluminada para juntar os dados da citologia com os trabalhos do nosso monge genial. Síntese realizada apenas em 1903, por Sutton e Boveri, que trabalhavam independentemente.

Agora, voltemos ao nosso protagonista. Em 1865, Mendel apresentou os resultados dos seus trabalhos com as ervilhas da espécie Pisum sativum em duas conferências feitas na Academia de Ciências de Brno. Neles, uma conclusão, costumeiramente apresentada assim: "cada caráter é condicionado por um par de fatores que se separam na formação dos gametas, nos quais ocorrem em dose simples". Esse que ficou sendo o enunciado para a Primeira Lei de Mendel, também chamada de Lei da Pureza dos Gametas, abriu as portas para o entendimento da hereditariedade, objeto de estudo da ciência que foi chamada de genética pela primeira vez em 1906, por Bateson.

Infelizmente para Mendel, a compreensão de seus serviços para a hereditariedade saíram da escuridão apenas em 1900, quando três cientistas (de Vries, Correns e Tschermak), de modo independente, usaram seus trabalhos como referência em suas pesquisas. A partir daí, Mendel pôde ser conhecido como o pai da Genética em palestras proferidas por Bateson, entre 1902 e 1909.

Analisem a representação de um dos experimentos de Mendel para o monoibridismo:




Agora, resolvam uma listinha de exercícios sobre a primeira lei e assistam aos vídeos sobre Mendel:








1) Dizemos que um determinado gene é recessivo quando sua expressão (fenótipo):
a) só acontece em heterozigose.
b) só ocorre quando em dose dupla.
c) independe da presença de seu alelo.
d) depende de características congênitas.
e) reproduz uma característica provocada pelo ambiente.

2) Algumas pessoas demonstram uma transpiração excessiva mesmo em condições normais. Esse caráter é determinado por um gene dominante S. Como será o genótipo de uma pessoa normal?

3) Um certo tipo de anomalia aparece em filhos de pais normais e, no entanto, trata-se de uma manifestação hereditária. Como você explica esse fato?

4) O gene que determina pêlos curtos no coelho é dominante em relação ao que condiciona pêlos longos. Do cruzamento entre coelhos heterozigotos nasceram 480 coelhinhos, dos quais 360 tinham pêlos curtos. Entre esses coelhinhos de pêlos curtos qual é o número esperado de heterozigotos?

5) Do cruzamento de duas moscas com asas, nasceram 120 descendentes com asas e 40 sem asas. Se os 120 descendentes com asas forem cruzadas com moscas sem asas e se cada cruzamento gerar 100 indivíduos. Qual o número esperado de indivíduos com asas e sem asas obtidos desse ultimo cruzamento?

6) (Fuvest) Dois grupos de mudas obtidas a partir de um mesmo clone de plantas verdes foram colocados em ambientes diferentes: um claro e outro escuro. Depois de alguns dias, as plantas que ficaram no escuro estavam estioladas o que significa que os dois grupos apresentam:
a) o mesmo genótipo e fenótipos diferentes.
b) o mesmo fenótipo e genótipos diferentes.
c) genótipos e fenótipos iguais.
d) genótipos e fenótipos diferentes.
e) genótipos variados em cada grupo.

7) "Casais de pigmentação da pele normal, que apresentam genótipo __(I)__ podem ter filhos albinos. O gene para o albinismo é __(II)__ e não se manifesta nos indivíduos __(III)__. São albinos apenas os indivíduos de genótipo __(IV)__."
No trecho acima, as lacunas I, II, III e IV devem ser preenchidas correta e, respectivamente, por:
a) AA, dominante, homozigoto e aa.
b) AA, recessivo, homozigoto e Aa.
c) Aa, dominante, heterozigotos e aa.
d) Aa, recessivo, heterozigotos e aa.
e) aa, dominante, heterozigotos e AA.

8) (Fuvest) Considere os seguintes cruzamentos para ervilha, sabendo que V representa o gene que determina cor amarela dos cotilédones e é dominante sobre o alelo v, que determina cor verde.
I.    VVx vv
II.   Vv x Vv
III.  Vv x vv
Um pé de ervilha, heterozigoto e que, portanto, produz vagens com sementes amarelas e com sementes verdes, pode resultar
a) apenas do cruzamento I.
b) apenas do cruzamento II.
c) apenas do cruzamento III.
d) apenas dos cruzamentos II e III.
e) dos cruzamentos I, II e III.

9) (Vunesp-SP) Em abóboras, a cor do fruto (branco ou amarelo) é controlada por um par de genes. Uma planta homozigota com frutos brancos foi cruzada com uma planta homozigota com frutos amarelos. A descendência desse cruzamento foi inteiramente constituída por plantas com frutos brancos. O cruzamento entre as plantas dessa descendência produziu 132 abóboras, que foram colhidas por um agricultor.
a) Quantos frutos amarelos e quantos brancos, desses 132, o agricultor espera obter?
b) Quantos, desses 132 frutos, espera-se que sejam homozigotos?

10) O pulmão da doadora substituiu o órgão de um rapaz de 22 anos afetado pela doença autossômica recessiva chamada fibrose cística, a qual produz infecções respiratórias crônicas e graves. Tendo recuperado parte de sua saúde e sabendo-se fértil, o jovem pensa agora em constituir família.
Considerando que sua mulher não tem o gene que causa a fibrose cística, qual é a chance de eles virem a ter descendentes saudáveis?

a) 0%
b) 25%
c) 50%
d) 75%
e) 100%


Gabarito:
1) B
2) ss.
3) A anomalia do filho é recessiva e os pais são heterozigotos
4) 240.
5) 4000 sem asas e 8000 com asas.
6) A
7) D
8) E
9) a) 99 brancos: 33 amarelos; b) 66.
10) E

Fontes:

Disponível em: www.icb.ufmg.br/lbem/aulas/grad/evol/precurs1.html
Acesso em: 27/02/2010.

Amabis, J. M.; Martho, G. R. Biologia das populações. São Paulo: Moderna, 2009.

Linhares, S; Gewandsznajder, F. Biologia Hoje 3. São Paulo: Ática, 2009.

Ivanissevich, A; Videira, A. A. P. (Orgs.) Memória Hoje. Volume 1. Rio de Janeiro: Instituto Ciência Hoje, 2008.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

MEIOSE

Assista ao vídeo sobre meiose:



Avalie seus conhecimentos sobre meiose resolvendo algumas questões:


Gabarito:
1) E
2) C
3) B
4) A
5) a) Duas cromátides por cromossomo no início de M e uma cromátide por cromossomo ao final de M2.
b) Duas moléculas de DNA por cromossomo no início de M e uma mólécula de DNA por cromossomo ao final de M2.
6) Sim. O crossing-over permite a formação de uma cromátide sem os genes deletérios N e M.
7) D
8) A
9) A