sábado, 27 de fevereiro de 2010

A PRIMEIRA LEI DE MENDEL


Em 1856, quando o monge agostiniano Gregor Mendel (1822-1884) começou a estudar ervilhas, as ideias prevalecentes sobre a hereditariedade passavam longe do que de fato acontece na transmissão das características de progenitor para descendente. Até então, os cientistas se dividiam nas mais diferentes correntes de pensamento. Havia os pré-formistas, que defendiam a existência de "homúnculos" dentro do espermatozoide ou do óvulo. Esses estudiosos digladiavam, no século XVIII, com os partidários da epigênese, que admitiam a presença de uma substância amorfa dentro dos gametas, ativada na fecundação para formar um novo ser. Houve ainda o retorno da pangênese, capitaneada por Charles Darwin (1809-1882), na segunda metade do século XIX. Nessa época, também era comum a crença da herança por mistura. Os seus adeptos defendiam que os filhos apresentavam geralmente uma média dos caracteres dos pais. Concepção inadequada frente a uma série de evidências, como, por exemplo, a existência de um filho calvo de pais não-calvos. Portanto, esse negócio de herança por mistura acabava sendo uma enorme "forçação" de barra.

Sem dúvidas, as descobertas que aconteceram no século XIX foram cruciais para o entendimento da hereditariedade. Estudos paralelos à discursão sobre esse tema nos permitiram entender o espermatozoide como gameta masculino (tudo bem que eles foram primeiro visualizados por Leeuwennhoek, em 1667, mas apenas em 1841 Kölliker desmonstrou que os espermatozoides eram células modificadas) e o óvulo como célula reprodutiva feminina (em 1828, von Baer descobriu essa célula dentro do foliculo ovariano, descrito inicialmente por Graaf, no século XVII). Além disso, em 1882, Walther Flemming descreveu o comportamento dos filamentos nucleares durante a mitose. Esses filamentos chamados de cromossomos por Waldeyer, em 1888. Já em 1889, Leopold Weismann, sugeriu a existência de um tipo de divisão que depois ficou conhecida como meiose. Faltou, na segunda metade do século XIX, uma mente iluminada para juntar os dados da citologia com os trabalhos do nosso monge genial. Síntese realizada apenas em 1903, por Sutton e Boveri, que trabalhavam independentemente.

Agora, voltemos ao nosso protagonista. Em 1865, Mendel apresentou os resultados dos seus trabalhos com as ervilhas da espécie Pisum sativum em duas conferências feitas na Academia de Ciências de Brno. Neles, uma conclusão, costumeiramente apresentada assim: "cada caráter é condicionado por um par de fatores que se separam na formação dos gametas, nos quais ocorrem em dose simples". Esse que ficou sendo o enunciado para a Primeira Lei de Mendel, também chamada de Lei da Pureza dos Gametas, abriu as portas para o entendimento da hereditariedade, objeto de estudo da ciência que foi chamada de genética pela primeira vez em 1906, por Bateson.

Infelizmente para Mendel, a compreensão de seus serviços para a hereditariedade saíram da escuridão apenas em 1900, quando três cientistas (de Vries, Correns e Tschermak), de modo independente, usaram seus trabalhos como referência em suas pesquisas. A partir daí, Mendel pôde ser conhecido como o pai da Genética em palestras proferidas por Bateson, entre 1902 e 1909.

Analisem a representação de um dos experimentos de Mendel para o monoibridismo:




Agora, resolvam uma listinha de exercícios sobre a primeira lei e assistam aos vídeos sobre Mendel:








1) Dizemos que um determinado gene é recessivo quando sua expressão (fenótipo):
a) só acontece em heterozigose.
b) só ocorre quando em dose dupla.
c) independe da presença de seu alelo.
d) depende de características congênitas.
e) reproduz uma característica provocada pelo ambiente.

2) Algumas pessoas demonstram uma transpiração excessiva mesmo em condições normais. Esse caráter é determinado por um gene dominante S. Como será o genótipo de uma pessoa normal?

3) Um certo tipo de anomalia aparece em filhos de pais normais e, no entanto, trata-se de uma manifestação hereditária. Como você explica esse fato?

4) O gene que determina pêlos curtos no coelho é dominante em relação ao que condiciona pêlos longos. Do cruzamento entre coelhos heterozigotos nasceram 480 coelhinhos, dos quais 360 tinham pêlos curtos. Entre esses coelhinhos de pêlos curtos qual é o número esperado de heterozigotos?

5) Do cruzamento de duas moscas com asas, nasceram 120 descendentes com asas e 40 sem asas. Se os 120 descendentes com asas forem cruzadas com moscas sem asas e se cada cruzamento gerar 100 indivíduos. Qual o número esperado de indivíduos com asas e sem asas obtidos desse ultimo cruzamento?

6) (Fuvest) Dois grupos de mudas obtidas a partir de um mesmo clone de plantas verdes foram colocados em ambientes diferentes: um claro e outro escuro. Depois de alguns dias, as plantas que ficaram no escuro estavam estioladas o que significa que os dois grupos apresentam:
a) o mesmo genótipo e fenótipos diferentes.
b) o mesmo fenótipo e genótipos diferentes.
c) genótipos e fenótipos iguais.
d) genótipos e fenótipos diferentes.
e) genótipos variados em cada grupo.

7) "Casais de pigmentação da pele normal, que apresentam genótipo __(I)__ podem ter filhos albinos. O gene para o albinismo é __(II)__ e não se manifesta nos indivíduos __(III)__. São albinos apenas os indivíduos de genótipo __(IV)__."
No trecho acima, as lacunas I, II, III e IV devem ser preenchidas correta e, respectivamente, por:
a) AA, dominante, homozigoto e aa.
b) AA, recessivo, homozigoto e Aa.
c) Aa, dominante, heterozigotos e aa.
d) Aa, recessivo, heterozigotos e aa.
e) aa, dominante, heterozigotos e AA.

8) (Fuvest) Considere os seguintes cruzamentos para ervilha, sabendo que V representa o gene que determina cor amarela dos cotilédones e é dominante sobre o alelo v, que determina cor verde.
I.    VVx vv
II.   Vv x Vv
III.  Vv x vv
Um pé de ervilha, heterozigoto e que, portanto, produz vagens com sementes amarelas e com sementes verdes, pode resultar
a) apenas do cruzamento I.
b) apenas do cruzamento II.
c) apenas do cruzamento III.
d) apenas dos cruzamentos II e III.
e) dos cruzamentos I, II e III.

9) (Vunesp-SP) Em abóboras, a cor do fruto (branco ou amarelo) é controlada por um par de genes. Uma planta homozigota com frutos brancos foi cruzada com uma planta homozigota com frutos amarelos. A descendência desse cruzamento foi inteiramente constituída por plantas com frutos brancos. O cruzamento entre as plantas dessa descendência produziu 132 abóboras, que foram colhidas por um agricultor.
a) Quantos frutos amarelos e quantos brancos, desses 132, o agricultor espera obter?
b) Quantos, desses 132 frutos, espera-se que sejam homozigotos?

10) O pulmão da doadora substituiu o órgão de um rapaz de 22 anos afetado pela doença autossômica recessiva chamada fibrose cística, a qual produz infecções respiratórias crônicas e graves. Tendo recuperado parte de sua saúde e sabendo-se fértil, o jovem pensa agora em constituir família.
Considerando que sua mulher não tem o gene que causa a fibrose cística, qual é a chance de eles virem a ter descendentes saudáveis?

a) 0%
b) 25%
c) 50%
d) 75%
e) 100%


Gabarito:
1) B
2) ss.
3) A anomalia do filho é recessiva e os pais são heterozigotos
4) 240.
5) 4000 sem asas e 8000 com asas.
6) A
7) D
8) E
9) a) 99 brancos: 33 amarelos; b) 66.
10) E

Fontes:

Disponível em: www.icb.ufmg.br/lbem/aulas/grad/evol/precurs1.html
Acesso em: 27/02/2010.

Amabis, J. M.; Martho, G. R. Biologia das populações. São Paulo: Moderna, 2009.

Linhares, S; Gewandsznajder, F. Biologia Hoje 3. São Paulo: Ática, 2009.

Ivanissevich, A; Videira, A. A. P. (Orgs.) Memória Hoje. Volume 1. Rio de Janeiro: Instituto Ciência Hoje, 2008.

4 comentários:

  1. postaste duas vezes o video da 1ª parte. ficou faltando a terceira ;D

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Calixto!
    Corrigi a postagem. Pode assistir à terceira parte do documentário.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Não, pois o comando pede qual o cruzamento gera uma planta heterozigota (Vv) e esse descendente pode ser obtido dos três cruzamentos apresentados.

      Excluir